Prólogo

Minha bela feiticeira da floresta, a mulher mais corajosa que conheci. Mantenha as portas de nosso castelo fechadas. Guarde nosso maior tesouro. E saiba que estará escrito para sempre nas páginas da história o quanto eu a amei.

Jamais deixe que o brilho de seus olhos se apague.

Para sempre seu,
J. D. Warrington.

Capítulo 1

 

Norte da Inglaterra, 2010

Depois de passar horas viajando, começando por um táxi, passando por um avião, um ônibus e outro táxi, era compreensível que a pessoa estivesse cansada e irritadiça. O melhor remédio para isso era uma boa noite de sono em uma cama confortável e quente. Mas ao olhar em volta, Luiza achou que não encontraria nada disso tão cedo. Se não estivesse sentindo o peso da mala na mão esquerda, acharia que era tudo uma ilusão. Examinou o cômodo onde havia acabado de entrar e viu que era imenso. A impressão visual era de profundidade, mas o sentimento era de puro vazio. Entrava muita luz natural e estava tão limpo que ela ficou com a sensação de que estava faltando alguma coisa. Talvez mais mobília e itens decorativos, as paredes de pedra também não ajudavam a dar um ar de conforto. Ela se assustou quando uma porta bateu do seu lado direito e duas pessoas vieram andando em sua direção.

– Aí está você! Não leu o aviso do lado de fora? Mandei que todos entrassem pela porta lateral. Aquela é a porta principal! – Disse a mulher, em um tom alto demais para um local tão silencioso.

– Boa tarde, você deve ser a nova estagiária – cumprimentou o homem que a acompanhava. – Sou Marcel Fulton, antigo administrador do castelo. Também chefio a pesquisa, gerencio o inventário, entre outras coisas.

Luiza apertou a mão que ele lhe estendeu. O homem que acabava de se apresentar aparentava ter uns de sessenta e poucos anos, o cabelo estava bem grisalho, mas ainda era abundante e ele o penteava de forma reservada. Sua pele era morena como se passasse tempo demais ao sol e vestia–se de forma simples e confortável. Tanto a calça como o suéter e o sapato eram em tons de marrom e bege.

– Sou Luiza Campbell e não sou a estagiária nova, mas sou a nova digitalizadora e restauradora de documentos e pelo que me disseram ainda terei uma seção para tomar conta e outras responsabilidades.

Assim que se apresentou, Luiza sentiu–se analisada. Mas não se importou, estava trajada de acordo com alguém que acabara de passar horas viajando. Mudou de um clima que considerava ameno para um bem mais frio. Usava calça jeans escura, botas, blusa reta e seca, casaco de grandes lapelas e um cachecol lilás. Mas não podia acreditar muito na maquiagem que não havia retocado durante o trajeto e prendera o cabelo no avião.

– É, aqui todos nós temos milhões de tarefas – respondeu a mulher, um pouco menos azeda. – Já que você não é a estagiária então não está atrasada – consultou sua agenda. – Está aqui, Campbell, marcada para chegar às seis da noite – estendeu a mão. – Sou Betty Tremain, a administradora geral. Isso inclui várias tarefas.

Luiza olhou discretamente para o relógio em seu pulso, eram cinco e cinquenta e quatro. Estava no horário. Betty devia estar na casa dos quarenta e poucos e tinha cara de poucos amigos. Era sua chefe. Com o cabelo negro e liso preso em um coque frouxo, parecia tentar fugir de uma imagem severa demais. Estava com uma calça de tecido cor de roxo escuro, bota de cano curto e um casaco volumoso de lã. Dava a entender que era uma mulher prática, porém, mal humorada e exigente. Ainda bem que Luiza não torrou seu cartão de crédito comprando roupas novas, pelo que estava vendo, suas calças informais e casacos quentes, mas já um tanto usados, iam servir para o local de trabalho.

– Deixe–me ajudá-la – disse o Sr. Fulton e Luiza preferiu lhe estender a menor mala com rodinhas que dava para puxar por uma alça extensível.

– Sou velho, mas aguento mais peso do que parece – ele disse, pegando uma mala grande e puxando–a também.

Betty deixou–os sem nem se despedir, disse apenas que amanhã cedo teria uma reunião com os recém-chegados para passar–lhes suas tarefas. Luiza foi puxando sua bagagem, como havia se mudado para lá de mala e cuia, tinha muita coisa. Com dificuldade, tentou ir arrastando tudo, mas acabou distraída pelo lugar.

– É bonito, não é? – disse Fulton, olhando–a do meio da escadaria. – Tive essa mesma reação ao entrar aqui pela primeira vez, há mais de trinta anos.

– Trinta anos? – Ela o olhou, surpresa.

– Sim, foi a primeira vez que entrei. E acredite, esse lugar já foi magnífico. Um dos castelos mais belos de toda a Inglaterra. Uma verdadeira fortaleza que amedrontava os escoceses e os fazia voltar para casa. Nunca foi invadido. Nem pelos piores inimigos dos Warrington.

Luiza parou olhando aquele salão enorme. Agora era um pouco difícil de visualizar toda essa grandeza. O castelo de Haivenford ficava próximo à fronteira noroeste da Escócia. Quando o taxi foi subindo a colina, ela não acreditou que realmente iria trabalhar ali. Era inacreditável que tivesse atravessado meia Inglaterra para chegar aquele lugar. As muralhas permaneciam intactas, uma reforma em certos pontos seria bem vinda, mas estavam lá. O caminho para o castelo era uma estrada larga encravada na colina e coberta de pedrinhas que fazia uma curva aberta para a direita. Da janela do táxi ela já pôde ver toda a área em volta, calculava que do alto do castelo a visão seria ainda melhor. Luiza não imaginava o que esperar, sabia que ia trabalhar em um castelo antigo, mas tinha algo diferente em mente.

E não havia aviso nenhum para entrar pela porta lateral. Quando desceu do táxi, bem no meio do pátio, o motorista ajudou–a com a bagagem que quase não coube no carro e teve que ir na mala e apertada no banco de trás. Ele estava muito contente que o castelo fosse enfim reabrir as portas, pois ia alavancar o turismo da região. O lugar parecia inabitado. Se não fossem por alguns carros parados no pátio e um pequeno caminhão com a caçamba aberta e itens que pareciam estar sendo descarregados, Luiza pensaria estar no local errado. Como se existissem muitos castelos medievais em cima de uma colina numa mesma cidade para ela errar assim. Com dificuldade, ela empurrou a porta principal. Eram portas duplas e altas, de madeira forte e escura com muitos detalhes entalhados e pedaços de vidro cor de terra molhada e brilhante, enfeitando–a de cima a baixo.

Luiza abriu apenas a porta direita. Foi quando parou, olhando aquele salão iluminado pela luz de final de tarde, havia caixas empilhadas nos cantos, tapeçarias velhas penduradas nas paredes e algumas enroladas no chão, mostrando que seriam substituídas. Poucos móveis completavam o ambiente e por tudo que já estudara sobre aquele tipo de castelo, sabia que deveria haver mesas, cavaletes, cadeiras, bancos, poltronas, arcas, entre outros adornos. Mas o local estava claramente em más condições. Não havia um belo e enorme lustre de cristal pendurado bem ali no meio como o ambiente sugeria, o chão estava precisando ser refeito, estava sem brilho, mas os buracos foram cobertos. Dava para notar que aquele salão estivera pior e que recentemente fora limpo e restaurado. Várias janelas altas e grandes deixavam qualquer um perceber que foram construídas com o intuito de prover luz solar até o pôr do sol.

– Deve ter sido um belo local em seus tempos de glória – ela comentou enquanto ainda olhava maravilhada, procurando enxergar a beleza escondida do castelo.

– Sim, só que foi há séculos. A era de glória dessa família foi encerrada com a morte prematura do último conde de Haivenford, suserano de toda essa região – contou Marcel. – Você vai conhecer melhor os personagens da família quando iniciar seu trabalho. Espero que goste deles, eu sou um assumido fã do último conde.

A escadaria estava com um tapete novo, mas a pedra do mármore estava manchada pela má conservação. O corrimão de madeira havia sido polido recentemente, ainda dava para sentir o cheiro de cera e óleo, mas também não tinha adquirido um brilho muito significativo, os anos de descaso obviamente cobraram seu preço.

– As acomodações dos empregados que trabalham na parte administrativa do museu serão aqui no castelo. Todos os outros, da limpeza e parte técnica, são locais e moram pelas redondezas. A antiga ala dos criados ainda está em reforma – Marcel informava enquanto seguia pelo corredor, fazendo barulho com as malas de rodinhas. – Vai ficar confortável e é para lá que vamos quando terminar a reforma. Os criados modernos! – brincou. – Cada um terá seu pequeno espaço, como um apartamento pessoal.

Luiza olhava tudo em volta, depois que saíram do corredor principal, notou como o castelo ainda estava precisando de reparos. Dava para ver que a água, provavelmente de chuva, havia arruinado parte do chão da área por onde passavam agora. Havia ferramentas e materiais que comprovavam que todo aquele corredor estava sendo reformado. As paredes estavam com marcas de quadros que estiveram ali por anos, mas foram retirados. Alguns itens perdidos pelo corredor mostravam que sobreviveram a duras penas, como estátuas, vasos e duas mesas finas e compridas, feitas de madeira pura, daquele jeito que atualmente não se encontra mais. O cheiro também era de tinta fresca, madeira recém-polida, carpete novo e cola quente. Mas os locais sem tratamento tinham odor de umidade e mofo.

– Chegamos – Marcel entrou em um quarto bem no final do corredor. – Estamos todos instalados nessa ala. É a ultima a receber a reforma total, o resto do castelo onde ficarão os quartos de hospedagem, já está até sendo mobiliado – ele parou e falou mais baixo. – Ouvi dizer que já colocaram água quente! – disse em tom de brincadeira. Afinal, até pra eles, meros criados modernos, era difícil tomar banho frio naquele tempo.

Após entrar no quarto e colocar suas malas num canto, Luiza achou que encontraria algo pior. Era um cômodo grande, mas estava praticamente puro. A cortina destoava completamente do ambiente, era um item novo e mal planejado. A cama de vigas altas, madeira e dossel dominava o quarto. O colchão obviamente não fora feito para o móvel, pois estava pequeno. Devia ser novo e as camas atuais não eram como as daquele castelo, mesmo que ela duvidasse que aquela peça ainda fosse uma das originais. Não teria resistido ao tempo em um lugar tão mal conservado. Mas ele era macio e o quarto estava com cheiro de lavanda, provando ter sido limpo recentemente. Ela encontrou a porta para o banheiro que ainda não tinha chuveiro. Teria de banhar–se em uma banheira grande de pedra em um cômodo onde também ficava o espaço para guardar suas roupas. Uma espécie de quarto de vestir adaptado, como ainda era possível encontrar em algumas casas antigas.

Um pouco mais tarde enquanto ainda desarrumava as malas, ela foi chamada por Marcel que disse ser hora de jantar. Pelo menos aquele emprego incluía comida e acomodação por um desconto simbólico no salário. Foi mais um dos motivos para ela aceitar, afinal, após a viagem, sua conta estava tão zerada que o saldo nem aparecia mais na página inicial do banco online. Todo o dinheiro que tinha estava na sua carteira e mal dava para uns sanduíches.

No jantar, encontrou mais duas pessoas, Afonso e Peggy Gentry. Eram irmãos e haviam vindo de Birmingham para trabalhar ali, Peggy era mais velha e já trabalhara em museus, Afonso estava formado há cinco anos e com ajuda da irmã estava tentando se firmar na profissão.

– E você, Campbell, vai ficar com a biblioteca, que também foi um escritório e onde está todo o material escrito recuperado desde a construção deste castelo. Todos os livros, pergaminhos, documentos, cartas antigas, livros de contabilidade e a história da família e região. Seu trabalho é arrumar tudo isso na mais perfeita ordem para o arquivo, recuperar os textos e digitalizá-los. Aquela é a sua seção. O acervo de livros do castelo também precisa de nova organização, Afonso a ajudará nessa tarefa. Você também precisa escrever breves textos sobre os antepassados dessa família para colocar no corredor da galeria de quadros e criar os textos para o site do castelo. E rápido, pois precisam passar pela minha supervisão para serem gravados em placas apropriadas e para serem colocados online. – Dizia Betty, como se estivesse simplesmente lhe dizendo para escrever uma receita de bolo de liquidificador.

Ou seja, pensou Luiza, o trabalho de uma vida. Ela nem sabia se estava qualificada para todos os pormenores daquelas tarefas, sua experiência também não era longa, ia ter que aplicar tudo o que aprendeu nas aulas. Se todas as caixas que ela olhara de relance ao passar pela porta fossem para o seu trabalho, ela podia ficar ali o resto da vida que talvez ao completar uns quarenta anos houvesse acabado de ler e digitalizar tudo. E isso porque o tal “acervo de livros” que começava lá na seção de Afonso, precisava ser reorganizado junto com os volumes da biblioteca.

Betty, que agora Luiza já sabia que era chamada de General Tremain pelas costas e Sra. Tremain em sua presença, continuou especificando o que ela deveria fazer. E seguiu o cronograma com todos. Era muito cedo, fazia um frio desgraçado e eles estavam sonolentos. Mas a voz estridente de Betty era um despertador dos mais incômodos.

– Estamos com pressa! Temos prazo para abrir este castelo! Portanto, precisam trabalhar! E muito! – Ela disse, dando a reunião como encerrada como um verdadeiro ditador e quase esperou aplausos no final, mas obviamente saiu decepcionada.

Bem, tirando o fato que estava no fim do mundo, em um local desconhecido, em um castelo mal conservado e sinistro, aquele era o emprego dos sonhos de alguém. Não de Luiza. Mas e daí? Não podia se dar ao luxo de escolher, era formada em museologia, já estava com sorte por ter permanecido em sua área. Era recém-formada, bem, não tão recém, já fazia quase dois anos. Estava sem dinheiro para continuar pagando o aluguel caríssimo de Londres, para onde foi assim que saiu de Oxford, então o que faria? Seus planos não deram certo, seu contrato de trainee acabara há cinco meses e o dinheiro logo depois. Vinha se sustentando de bicos e tirando folgas de conhecidos com trabalhos decentes. Não podia dizer que havia passado necessidade, mas podia afirmar que era uma boa coisa a água ser de graça e ela gostar de sanduíches.

Luiza tinha vinte e cinco anos, já batendo na porta dos vinte e seis, não conhecia ninguém em especial em Londres e sua mãe estava na Austrália, morando com o seu padrasto que havia sido transferido para lá. Ela era sua única ligação, pois seu pai estava morto há doze anos e a família havia se deteriorado, alguns ramos acabaram e o dela estava a ponto de ir pro ralo, pois era filha única. Então, por que não? Pagava bem, tinha cama e comida. E eles estavam tendo dificuldade em encontrar jovens recém-formados que se dispusessem a ir morar ali. Por que será, não é? Havia conseguido o emprego por indicação de um ex–professor que achou que ela se encaixava no perfil procurado.

– Bem, está melhor do que eu esperava – ela disse quando entrou em “sua seção”.

A biblioteca era comprida e larga, toda a lateral esquerda era dominada por três grandes janelas de vidro e ferro com detalhes em madeira. No espaço entre elas havia estantes baixas e com poucos livros. Na parede que ficava bem ao lado da porta de entrada havia uma estante embutida e gigante que tocava o teto extremamente alto do castelo. Tinha prateleiras para cima e portas embaixo. Logo a frente ficava uma mesa de madeira forte e uma cadeira de espaldar alto. Aqueles itens sim pareciam ser originais. Eram verdadeiras raridades. Todo o cômodo estava tomado por caixas de madeira e papelão, tudo espalhado, principalmente perto da mesa.

“Encare como um desafio” – ela ficou repetindo mentalmente enquanto olhava todo aquele material.

Sem saber por onde começar, Luiza deixou o notebook em cima da mesa e foi ler as identificações das caixas. Interessou–se particularmente por uma pilha de quatro caixas que estava no canto direito, eram embaladas em plástico transparente, presas com fita adesiva larga e especial para vedar e dizia: Manusear com luvas. Mas o que lhe chamou atenção foi o que estava escrito na etiqueta de identificação do lote: Doado por colecionador anônimo. Conteúdo pessoal de J.D. Warrington. Conde de Haivenford (1394 – 1426).

Embalada em plástico bolha e lacrada com o mesmo tipo de fita adesiva, havia uma arca em madeira, com laterais de ferro e detalhes fortes que estavam nítidos demais para ser uma peça original. Mas Luiza encontrou uma etiqueta que dizia: Restaurada. Conteúdo original. 12/320 – 04/2010 – 15 kg. Ela levantou e passou os olhos por toda a sua seção. Seria um trabalho interminável e havia pouquíssimas pessoas para organizar um castelo daquele tamanho. Com tudo que havia dentro daquela biblioteca, que mais parecia um salão, pelo menos cinco pessoas podiam trabalhar ali e ficar atarefadas o dia inteiro, por até anos. Mas ela faria isso tudo sozinha. Como? Era uma boa pergunta.

– Pois é conde… Já que estamos na sua casa acho que você vai fazer as honras – Luiza abaixou e pegou a arca, era muito pesada e ela quase tombou para frente. – Vamos ver o que tem aqui – disse com dificuldade, se esforçou mais e foi levando–a para mesa.

Ela gostaria de olhar tudo que havia ali e traçar uma estratégia de trabalho para começar, mas seu plano foi simplesmente começar pelo último conde de Haivenford. Fazia sentido, já que ele era a figura mais famosa da família e da região. Colocaria em ordem tudo que encontrasse sobre ele, depois traçaria outra estratégia.

– Como está indo aqui, gatinha? – Indagou Afonso ao entrar na seção de Luiza. Hoje ele estava com um lenço no pescoço que era mais colorido que o de ontem. – Já desencavou o passado pecaminoso da família?

– Não, não… – Ela sorriu, olhando para a arca que estava a ponto de desbravar. – Nem sei por onde começar a procurar os pecados. Confesso que não sei nada sobre esse lugar, a família e tudo mais.

– Fala isso baixo, hein! Não deixa a General escutar seu pouco caso – ele olhou em volta e assobiou. – Parece que você vai passar longos dias por aqui, hein? – ele foi andando até uma das paredes que devia estar repleta de livros, mas estava cheia de espaços vazios porque os livros que permaneciam precisavam de restauração e os outros estavam em caixas. Uma hora os dois teriam que tocar ali.

– Eu sei… – Ela disse, imaginando quantas cartas e documentos teria de copiar, pois o texto contido precisava ser arquivado. Depois que digitasse tudo e precisava ler os documentos para escrever breves textos sobre o castelo e a família. Então arquivar e guardar de forma que ficassem conservados. Todas aquelas caixas com etiquetas já haviam passado por uma equipe especializada em restauração de documentos antigos e que tinham material para isso. Mas eles só restauravam fisicamente, o conteúdo ficaria por conta dela. Começava a entender porque precisava se mudar para lá, o motivo de um salário bom e das regalias disfarçadas.

Depois de dobrar as mangas e colocar as luvas, Luiza abriu a arca. Estava repleta de documentos escritos a mão. Todos tinham data e ela se ocupou em arrumá-los cronologicamente. Gastou todo o seu primeiro dia de trabalho nessa tarefa, depois precisava separar em lotes e guardar tudo, não podia deixar nada exposto. Encontrou uma nota dos restauradores, dizendo que o local não era apropriado para aqueles documentos. Depois de abertos, deviam ser guardados nas portas na base da estante, o único local adaptado para recebê–los, mas não havia espaço para tudo. Para isso seria levado um móvel especial que obviamente ainda não fora entregue.

Na verdade a situação em todos os setores estava instável, para não dizer precária. Museus e associações especializadas haviam inclusive tentado impedir que o castelo fosse reaberto sem os devidos cuidados e recursos, pois consideravam aquilo um crime contra uma parte da história da Inglaterra. Depois que documentos foram encontrados e devolvidos para o castelo, a briga judicial se intensificou. Mas os Warrington eram donos do castelo de Haivenford e de tudo que havia dentro dele.

A família na verdade não existia mais, o nome morreu com o conde em 1426. Ele não deixou herdeiros e seus parentes mais próximos adotaram o sobrenome apenas para usufruir do prestígio que este trazia. Mas haviam abandonado seu patrimônio há séculos e não tinham dinheiro para mantê–lo. Por isso, concordaram em transformar o castelo em um museu e hotel. Historiadores renomados e especialistas em tal transição sequer foram consultados e apenas equipes técnicas entraram em contato com todo o material encontrado ali e com a enorme estrutura do castelo.

A maior parte das raridades estava em poder de Rachel Warrington, a única que parecia se importar com a história de uma das famílias mais antigas da Inglaterra. Ela não tinha condições financeiras de cuidar do castelo e muito menos de viver lá. Mas morava em uma casa de campo há duzentos quilômetros dali e guardou tudo que pôde mandar buscar, espalhando por quartos da casa, pelo porão e cômodos que não eram mais usados. Agora ela estava morta e os herdeiros brigavam com unhas e dentes pela tal casa de campo e queriam se livrar o mais rápido possível daquela “velharia” que era o castelo. Assinaram o contrato e saíram nos jornais dizendo frases falsas sobre como tinham orgulho de enfim recuperar a história da família ao transformar o andar térreo do castelo em um museu e permitir a visitação do público.

Nos tribunais, os Warrington que sobraram e envergonhavam seus ancestrais, foram assessorados por advogados pagos pela empresa que abriria o hotel e investidores que aprovavam o museu, interessados em lucros e pouco se importando com o material histórico. Mas o museu era principalmente da família, pois eles ainda mantinham parte do castelo. Por isso, foi a área que recebeu menos investimento inicial. A família ganhou o caso, pois segundo a lei, tinham direito sobre a extensão de terras que sobrara porque já haviam vendido tudo em volta, com exceção do terreno do castelo, o que basicamente significava ser dono de uma colina inteira.

As associações históricas ainda tentaram recorrer, alegando que parte dos itens originais não se encontrava no castelo e sim na casa de Rachel Warrington. Mas perderam a apelação, a casa agora pertencia a Alfie Henley, filho mais velho de Rachel que não morava na Inglaterra e estava pouco se importando se aquilo era uma agressão a história. Ele queria era sua parte nos lucros. O resultado disso era a degradação para a qual Luiza olhava agora. Mas os herdeiros atuais não podiam ser os únicos culpados, eram séculos de pouco caso, haviam abandonado aquele castelo no século XVIII e só permaneceram ali por tanto tempo porque era o único teto que tinham.

Ao longo do tempo os herdeiros venderam vários itens para pagar as contas e quando enfim conseguiram se mudar, deixaram o resto para trás e trancaram tudo. Extraoficialmente, o governo local se encarregou de garantir que o castelo permaneceria em segurança, porque mesmo sem poder entrar, apenas tirando fotos do lado de fora e nos pátios, os turistas que visitavam a região ainda queriam conhecer Haivenford e as lendas sobre ele atraíam muita gente. O enorme castelo, notável de qualquer parte até da cidade vizinha era o maior elefante branco do norte e que todos fingiam não ver há tempo demais. Ao menos a magia em volta da existência do castelo naquela colina não havia morrido, pois isso nem o tempo e a degradação podiam eliminar.

E após tantas derrotas, as associações apelaram para a Suprema Corte do Reino Unido que decidiu que como um patrimônio histórico, mudanças estruturais estavam proibidas no castelo e que todos os itens referentes à história dele deveriam ser devolvidos ao seu lugar de origem. Isso fez com que alguns itens que estavam com os supostos herdeiros fossem confiscados e levados de volta para onde nunca deveriam ter saído, pois não havia documentos que provassem herança, venda ou doação daquelas peças e documentos. Tudo poderia ser considerado furto e apropriação. Os advogados exploraram todo tipo de brecha e interpretação para conseguir ao menos devolver ao castelo seus pertences e manter a estrutura externa.

A empresa que fazia a reforma comprometeu–se a contratar especialistas que já haviam acompanhado a modernização de castelos ingleses e franceses para garantir que Haivenford permaneceria em seu estado original após as obras. Atualmente as partes estavam em um período de trégua, provavelmente porque não sabiam que a família estava contratando jovens recém-formados para lidar com itens que datavam do século XII.

Além disso, os chefes desses garotos eram profissionais anônimos que não viviam dando declarações para veículos midiáticos, aparecendo em documentários e nem em palestras por universidades. Mas a briga havia sido tão feia, que para firmar um acordo, a família concordou em parar de contestar documentos e “aposentar” o Warrington, já que na verdade os que estavam vivos eram Henley, Reed e Maywood. Ao menos o nome dos Warrington, de descendência dos condes, estava descansando em paz, como constava há séculos em documentos históricos que aquela família acabara em 1426.

Após tratar tudo com uma frieza profissional, Luiza parou para realmente olhar com o que estava lidando. Depois de tediosas cartas comerciais, páginas perdidas de contabilidade e mensagens recebidas de outros lordes, o conteúdo daquela página chamou sua atenção. O conde registrava muitos dos acontecimentos de Haivenford, mas aquilo não era apenas uma das páginas de seus registros da propriedade. Era uma carta que ele escrevera, mas que se encontrava fora dos seus pertences pessoais, estava no meio dos documentos da família.

Ao lorde de Bealton,

Lamento informar que sua filha está morta. Atirou–se da torre mais alta do castelo.

A criança a qual ela deu a luz pertence à lorde Aventhold, ela confessou. Ele virá buscá–la.

Venha buscar o corpo, pois não posso enterrá-la junto a meus entes queridos.

Pegue a estrada ao amanhecer, não há como esconder que ela tirou a própria vida.

Esse pecado eu não poderei encobrir.

A despeito do que diz a lei, dê um enterro humano a minha prima.

Eu lhe disponibilizarei os recursos.

Haivenford

Segundo a sua arrumação e a data na carta, Luiza sabia que o ano era 1419. O conde devia estar com vinte e cinco anos e era casado com sua prima de primeiro grau, Tylda. A união havia sido realizada em 1414, quando ele tinha vinte anos e a esposa dezessete. Foi antes que o conde partisse para a guerra na França e a esperança era de que ele já deixasse um herdeiro antes de partir. Ele só retornou a Haivenford em 1416 com a tarefa de controlar a região, ou seja, saiu de uma guerra para a outra e encontrou a esposa sem nenhum filho e com a notícia de que o primeiro nem chegara a cinco meses de gestação, mas esse detalhe não constava em nenhum lugar.

De acordo com documentos da época, ele havia morrido em 1426, logo após completar trinta e dois anos. E sua esposa se suicidou quando tinha em torno de vinte e dois anos, pois era pouco mais nova que o primo que acabou tornando–se seu marido também.

– Sr. Fulton! Por que a esposa do conde se matou? – Luiza entrou correndo na salinha de trabalho do historiador, sua curiosidade era tanta que ela nem bateu e deu um susto em Marcel.

– Menina! Já tenho o coração fraco. Não me dê sustos – ele virou mais a cadeira de rodinhas e levantou os óculos, apoiando–os na testa. – De onde tirou isso?

– Estou lendo… Digo… Copiando os documentos. O conde escreveu uma carta para o tio, informando da morte – ela explicou rapidamente, querendo logo a resposta para sua pergunta.

– Ah sim… Ele escrevia muito, algo raríssimo em sua época. Foi um homem culto apesar da vida de cavaleiro que levou. Mas era assim que ele passava o tempo. Por que acha que estão brigando tanto pelo material que tem aqui? É algo que não pode ser comprado – ele pausou, tinha prazer em falar sobre sua personalidade preferida da história. – Bem, não sei por que você imagina que eu vá saber uma coisa dessas. Eu não tive a oportunidade de ler tudo que você lerá. É o único buraco em minhas pesquisas, os escritos pessoais do conde. Não sabe como fiquei feliz ao ser informado que eles foram devolvidos. Só que você é a primeira a ter contato com eles.

– Mas… – ela disse, sabendo que não acabava aí.

– Ela foi uma mulher infiel. Tinha acabado de dar a luz à filha de outro homem, visto que todos sabiam que o conde estava em um torneio no período que supostamente deveria tê–la engravidado, não havia como esconder seu pecado. Ele sabia – disse Marcel, sua ultima frase soando como uma sentença.

– E por que eles não tiveram filhos? – Luiza franzia a testa, pensando o quanto os casamentos naquela época tinham como um dos principais objetivos produzir herdeiros. Era estranho terem ficado casados por cinco anos e sem filhos, mesmo que ele tenha se ausentado por um período.

– Eles tiveram. Pelas informações que tenho, acredito que tiveram três filhos antes que ela o traísse. Morriam nos primeiros meses de vida.

O semblante curioso de Luiza desmontou em uma feição triste enquanto lamentava aquela nova informação.

– Além de todas as dificuldades de conceber naquela época, esse é um dos problemas de casamentos consanguíneos. Primos em primeiro grau que também eram filhos de primos. Muito comum naquela época. Famílias fechadas – disse Fulton, recolocando os óculos.

– Ele sofreu por amor, então? – Ela já estava até sensibilizada com a possibilidade.

– Você precisa continuar lendo para vir me contar – ele lhe enviou um leve sorriso. – Amor não era algo comum nos casamentos nobres, sei que sabe disso. Mas era possível comodidade e satisfação – Marcel disse num tom de quem sabia que não era uma vida que nenhum dos dois ali, tão acostumados à vida moderna, desejaria.

 A torre, antes uma das mais belas visões de Haivenford, é agora amaldiçoada. Passei dias admirando a extensão desses campos. Talvez fosse meu local preferido.

E creio que por isso ela o escolheu.

 Uma semana depois, Betty foi ao setor de Luiza dizer–lhe, de forma grosseira, que ela estava muito lenta. E era para largar aquele bando de folhas e escrever as informações para as placas da galeria, pois haviam acabado de conseguir mais um quadro. Dessa vez de Josephine Warrington, mãe do conde. Estava em restauração, chegaria em uma semana, junto com quadros mais recentes de outros membros sem importância.

 Uma das vilas ao sul foi saqueada. Lorde Aventhold deveria manter aquele lado da fronteira. Mas é difícil o contato agora que ele mantém em sua casa a filha de Tylda e teme me irritar. Não creio que eu pareça um viúvo vingativo, mas ainda assim, o povo pensa que ele cometeu um sério delito contra seu suserano e eu deveria puni–lo mais severamente além de corta–lo da lista de favorecidos.

Tal ato não cabe a mim, Tylda se entregou a ele por vontade própria e morreu pela culpa, castigando–o também. Deus o julgará por seus pecados. O que me incomoda é que a filha de Tylda é também minha prima. Espero que ele olhe por ela. Mas sinto por sua esposa. Uma criatura frágil e condescendente como uma roseira no inverno.

       Agora Luiza já sabia classificar os personagens da vida do conde e dizer até de que lado da família eles eram. Diante de seu interesse, Marcel retirou de sua estante, um livro no qual colaborou como pesquisador local. Este foi feito por um famoso historiador especializado nas famílias da nobreza inglesa. Eram três volumes, o primeiro ia do século X ao XIII e também falava de clãs e suas ligações. O segundo retomava o século XIV e ia até o XVII. O último começava no século XVIII e vinha até os tempos atuais com o pouco que ainda restava de tais famílias. Os volumes juntavam tudo que era possível saber, os nomes, as árvores genealógicas, os filhos bastardos, as tragédias, as glórias, enlaces, assassinatos e tudo mais que fosse considerado interessante para entreter um leitor a enxergar nos volumes mais do que apenas livros de registro histórico.

Baseado neles, Luiza sabia que após a morte do conde que até hoje levantava suspeitas, seu primo Rodney herdou o castelo e o título de barão, mas não o de conde já que esse fora concedido como honraria ao avô dele e só podia ser passado através de seus filhos. E seu posto como suserano da região deixou de ser respeitado, já que ele não inspirava nenhuma lealdade aos outros lordes. Então logo perdeu o posto também. Na verdade, os lordes leais ao conde o acusaram de assassinato e disseram que se ele passasse por suas terras correria o risco de não voltar. O regente do rei decidiu não interferir na questão, mas deixou claro que não aceitaria o assassinato do novo barão já que não podiam provar seu envolvimento na morte de Jordan.

Rodney Woodart instalou–se em Haivenford com a família e nos primeiros anos até conseguiu se manter, porque Warrington deixou as contas na mais perfeita ordem e rendendo muito bem. Quando a notícia de que o conde havia morrido chegou aos ouvidos de alguns antigos inimigos, eles acharam que enfim iam ultrapassar as muralhas do castelo. Mas o exército e seus principais cavaleiros ainda estavam lá para impedir e agiram por conta própria, já que Rodney não tinha o menor talento para guerras e estratégias e também não conhecia o castelo e suas defesas.

Uns cinco anos após a morte do conde a situação começou a decair. Os lucros diminuíram, o povo já não era tratado como antes, a família de Rodney era muito esbanjadora e não foi mudando com o passar do tempo até que se tornou insustentável e para piorar começou a perder cavaleiros que se mudaram para propriedades vizinhas ou simplesmente sumiram no mundo, viajando para propriedades longe dali ou indo servir em Londres.

– Na verdade, em 1615, Haivenford passou para as mãos de William Woodart. Deve ter sido mesmo o sangue ruim da corja de Rodney que estragou esse lugar. Porque ele era bastardo, mas foi durante sua vida que o castelo recebeu os cuidados que ainda eram possíveis fazer com o pouco rendimento e as dívidas acumuladas. – Contou Marcel, que também adorava mostrar seus conhecimentos sobre os pormenores da família. – Garanto que se ele fosse filho legítimo como aqueles outros, teria apenas piorado a situação.

Luiza não conseguia mais trabalhar sem que Betty aparecesse para perturbá-la. Só conseguiu se livrar dela por dois dias quando as malditas placas chegaram. “Grande coisa.” – pensou Luiza ao olhar a placa prateada ao lado do quadro de Rodney Woodart e família. Passou por Tylda Warrington e também a olhou com desdém, já estava completamente contaminada pela história, como se fosse fã de uma série de livros e não admitisse que defendessem algum personagem odiado.

Segundo a história, Tylda foi uma bela loira, apesar de o estilo do pintor não ser o mais detalhista e ela estar usando aquele chapéu horroroso, um véu e o estilo de cabelo que deixava as mulheres parecendo bruxas. Em trajes ricos da moda do século XV, ela foi retratada no solar do castelo junto com outras mulheres. Luiza acabou lhe escrevendo um texto pobre, dando a entender que ela não fez muita diferença para a história de Haivenford, pois seu período lá foi recheado demais de tristezas e os dados sobre os filhos não eram concretos. Teve que incluir que ela se jogou da torre. Gostaria muito de contar sobre a traição, mas Betty provavelmente iria despedi–la aos gritos enquanto balançava a prancheta que sempre carregava. Então simplesmente escreveu a verdade e colocou todos os dados relevantes de sua curta e triste vida.

Mais a frente, Luiza admirou Josephine Warrington, tão bela e etérea nos jardins do castelo que sua pele branca como leite praticamente confundia–se com o ambiente. Não parecia de verdade, mas era bela mesmo assim. O espaço perto delas estava disfarçado, mas o buraco era gritante. O quadro do último conde, pintado assim que ele assumiu a herança, foi vendido há séculos, estava em alguma coleção particular e eles precisariam de uma fortuna para tentar recuperá–lo. Algo que definitivamente não tinham. Pelo menos, devia estar muito mais bem conservado que os outros.

Havia uma miniatura dele no livro das famílias. Não estava sozinho, era mais jovem, mas deu para imaginar um homem alto, esguio e de cabelo claro e abundante. Não fazia ideia de que cor eram seus olhos. Imaginou que pudessem ser castanhos como mel, mas talvez verdes como folhas de hortelã também combinassem. Aliás, se ele se parecesse com a mãe, eles seriam cinzentos, mas parece que o pai tinha olhos azuis como o mar. É, era melhor Luiza voltar ao trabalho e parar de imaginar os olhos do antigo dono do castelo. Ele já parecia bem sinistro sem a contribuição dela.

 Meu estimado amigo e suserano,

É uma verdadeira tristeza saber que não poderá comparecer. Espero que a situação aí perto da fronteira tenha se estabilizado.

Desejo–lhe um bom inverno.

Braydon

 – Queridinha, eu acho que você está se envolvendo muito com seu trabalho – disse Afonso, sentado no sofá vitoriano que havia sido trazido para o castelo junto com outros móveis para os quartos. – Afinal, hoje é sexiiiiista–feira! – Ele disse e riu. Sabia muito bem que ali isso não fazia a menor diferença.

– E você deve ser mais rápido que o Super Homem! Nunca vi passear tanto. Tem que me contar o segredo – ela respondeu, enquanto embalava mais um conjunto de livros de contabilidade e pensava como o conde era viciado em trabalho.

– Já fiz tudo que eu tinha que fazer hoje. Cruz credo! Estou lidando demais com mortos para o meu gosto. Você viu a quantidade de livros que chegou hoje? Eu vou morrer trabalhando. Até os ETs devem estar doando livros galácticos para cá!

Ela riu e o acompanhou na saída, foram conversando pelo corredor que agora já estava recebendo piso novo. Aos domingos eles podiam fazer o que quisessem, mas tinham tanto trabalho que geralmente davam uma passada em suas seções. Luiza andou dormindo naquele sofá novo da biblioteca, não podia acender a lareira, mas não estava tão frio assim. À noite parecia que estava em casa. Podia vagar para todos os lados enrolada em seu edredom, metida em um pijama de flanela e calçando suas pantufas velhas. Sempre ia até a cozinha, o primeiro lugar do castelo a ser completamente reformado e modernizado, fazia chá ou chocolate quente e voltava para sua seção. Era como se aquele cômodo tivesse se tornado sua nova casa. Gostava muito mais dali do que daquele quarto sombrio lá no final da ala leste.

 É estranho não ter pensado neste local antes. Passo grande parte de meu tempo aqui quando a situação está calma. E a visão também é bela e as janelas bem maiores. A propósito, lorde Regis fará uma visita. Imagino que trará sua filha mais nova. Só espero que não tenha sido uma sugestão do duque.

Em sua leitura, Luiza chegou a 1423, agora Jordan tinha vinte e nove anos e estava sofrendo grande pressão para se casar novamente. Mantinha–se um viúvo desde a morte de Tylda, não tinha herdeiros e os tempos eram incertos demais para deixar tal patrimônio e um nome tão importante sem continuação. O duque de Gloucester, regente da Inglaterra na época, queria que o conde se casasse e tinha muitas indicações de esposas se ele demonstrasse algum interesse. O que o mantinha livre, de certa forma, era a vantagem de viver tão longe de Londres e após ter enviuvado, fazia de tudo para não por seus pés lá.

Seu povo também esperava que ele escolhesse logo uma jovem para dar continuidade à linhagem dos Warrington. Todos temiam que seu lorde morresse sem deixar ninguém. Era como se pressentissem que isso não seria bom. Mas também não queriam vê–lo casando–se com uma mulher que o desgraçaria novamente. O povo tinha esperanças que dentre essas damas que queriam tanto casar–se com ele, alguma fosse boa o suficiente para acordar seu coração. Era como diziam os trovadores que visitavam o castelo espalhando ilusões para todo lado, o conde não poderia ser conquistado se nunca foi despertado para o amor.

Mas o que chamou atenção de Luiza foi o fato de ele estar escrevendo sobre a biblioteca onde ela estava agora. Sabia que naquela época não devia estar configurada como hoje, talvez nem houvesse aquele monte de prateleiras. Mas era o mesmo local.

Ela notou que a cada dia ele escrevia mais sobre tudo a sua volta e incluía detalhes sobre sua vida. Também guardava toda a correspondência e fazia mais contas, calculando absolutamente tudo sobre sua propriedade, talvez como um passatempo que no final estava deixando os seus cofres cada vez mais abarrotados. Jordan também mantinha correspondência constante com outros nobres, padres, estudiosos e comerciantes que não conhecia direito ou nunca sequer encontrou. Luiza sabia perfeitamente o que era isso, chamava–se solidão.

O castelo precisa de algumas restaurações, espero que haja tempo suficiente para terminar a nova torre antes do próximo inverno. Lorde Regis ainda se aproveita de minha estranha hospitalidade e lady Lavine é uma dama que aprecia muito travar conversas sem propósito. Toma–me tempo demais.

 Luiza estava lendo cada pequeno pedaço como um livro que a cativava, com capítulos pelos quais esperava ansiosamente. Mas precisava voltar, ainda estava copiando as cartas de 1421. Aliás, estava muito adiantada naquela tarefa. Mas tinha caixas e mais caixas de documentos empilhados, esperando que ela parasse de acompanhar a vida de um homem que estava morto há mais de quinhentos anos.

Era sábado de tarde, havia deixado de lado aquela mesa cheia de histórias para arrumar pelo menos mais um século de arquivo. Só há poucos dias havia descoberto que não estava arquivando apenas documentos sobre a família, aquela parte do museu continha documentos de outros castelos da região. Ela ignorava como eles haviam ido parar ali, afinal, houve briga judicial pela maior parte daqueles bens. Devia ter notado antes que era coisa demais para uma família só. Ou seja, era muito mais trabalho do que pensava. Eram arquivos e documentos que provavelmente muitos estudiosos e curiosos estavam ansiosos para que fossem disponibilizados, mas nem a culpa por ela estar os impedindo conseguia afastá–la da história de vida do conde.

Ela é parecida com Tylda em aspectos que ignorava antes. Atualmente é mais um detalhe de todos os defeitos que encontro em tudo e todos a minha volta. Mas creio ser realista o suficiente para admitir que na verdade o defeito está apenas em mim.

Meus campos ainda estão verdes e frutíferos e os ataques rareando. Não vejo fogo em minhas terras há semanas. Tenho podido permanecer tempo demais em meu castelo.

Espero que a solidão não me permita cometer o mesmo erro.

Uma semana se passou após a primeira reclamação sobre a língua solta de lady Lavine, mas Jordan continuava escrevendo sobre isso. A sensação de quem lia era de impotência, porque ele não podia cometer esse erro. Para falar a verdade, Fulton não lhe disse se o conde havia se casado novamente. Mas se ele não tinha herdeiros, Luiza concluiu que não. E nada naquele livro que ele lhe emprestara dizia que houvesse. A tal lady Lavine nunca foi citada relacionada a ele.

Luiza interpretou a última frase dele e sabia que ainda dizia respeito à mulher. Entendia como ele estava se sentindo só. Até o momento não fora tão explicito, mas a frequência da escrita, os detalhes pessoais e as cartas guardadas indicavam isso, estava exposto em cada palavra que ele escrevia com sua letra cursiva e forte. Luiza teve vontade de ir pegar o livro, talvez encontrasse Lavine na árvore de outra família. Mas não o fez, simplesmente voltou a digitar. Para o trabalho dela ainda era 1421. Mais tarde, ela foi novamente aos arquivos de 1423 para ler aqueles pedaços. Os dias seguintes ainda estavam embalados e guardados nos armários com ambiente esterilizado e em temperatura ideal.

Para tentar aplacar um pouco da sensação de impotência e de quase dor pelo que ela sentia a cada vez que lia as palavras solitárias do conde, Luiza pegou a caneta que usava para anotações e escreveu uma resposta a ele em seu bloco. Era apenas algo que ela gostaria de ter escrito a ele, uma fantasia.

Meu estimado suserano,

Milorde deveria ir passear pelos tais campos verdes. Deixe a lady de lado e procure um cavalo para exercitar. Se os defeitos são assim tão aparentes, que dúvida ainda pode haver? Por aqui também não há fogo há semanas, aliás, se me permite dizer, não há nada. Nem frutas.

Simplesmente não cometa o mesmo erro.

L. C.

Luiza divertiu–se com sua resposta. Provavelmente se dissesse isso ao seu suserano correria grande risco de levar uma surra. Enfiou o papel na gaveta da mesa onde ela guardava seu material pessoal de trabalho, terminou de digitar mais um dia e foi dormir. Dessa vez, na cama.

 ***

– Minha nossa! Não cai uma tempestade como essa por aqui há anos! – Disse Fulton, olhando pela janela.

O céu estava escuro como se já estivesse de noite e ainda era início da tarde, mal haviam acabado de almoçar.

– Odeio tempestades! Odeio tempestades! – Dizia Afonso, antes de sair atrás da irmã e do Sr. Fulton.

Luiza estava de pé à frente da última janela da biblioteca, olhava para o lado de fora, o vento balançava tanto as árvores que parecia que iria derrubá-las. Às vezes uma rajada vinha tão forte contra a janela que ela a escutava balançar no lugar. Foi andando de volta para sua mesa, tempestades na verdade não a abalavam muito. Passou pelas outras duas janelas, na última as gotas de chuva começaram a ser empurradas contra o vidro. Mas apesar de todo aquele rebuliço, eram gotas leves que nem faziam barulho. As trovoadas roncavam altas e ao longe parecia que a chuva já estava caindo com toda força. Luiza viu o céu clarear e começou a contar os segundos até escutar o som do trovão. Se lembrava bem, podia multiplicar isso por trezentos e quarenta e três e descobrir a quantos metros o raio caiu. Porque a tempestade já estava em cima do castelo. Ela afastou tudo de metal, podia escutar Afonso gritando a cada trovoada e não conseguia se concentrar com aquela ventania.

Parou há vários passos da janela do meio, olhando a situação do lado de fora, na verdade estava distraída. Sua visão era um borrão, como se tudo lá fora fosse apenas o verde das árvores, dançando para lá e pra cá enquanto o vento as desafiava. Mas era estranho, pois pela visão que tinha da janela, não parecia chover. Ela piscou para clarear a vista e escutou o barulho, não parecia tão perto, só que sem nenhum aviso a descarga elétrica do raio caiu bem à frente da janela, causando um estrondo ensurdecedor. Ao mesmo tempo outra rajada violenta de vento bateu contra o castelo com tanto furor que a janela do meio foi escancarada. O susto, o raio praticamente em cima da janela e a ventania que tomou conta da biblioteca em segundos, jogaram Luiza para trás. Ela perdeu o equilíbrio e caiu de costas, mas não perdeu a consciência. Levantou gritando e correu para a janela. O vento varreu a sua mesa, os papéis voavam para todos os lados e ela temia que voassem para fora.

Com aquele barulho e o grito que ela soltou ao cair, os outros entraram correndo. As portas haviam sido escancaradas e não havia mesmo como eles não notarem. Peggy e Marcel lançaram–se contra a janela assim como Luiza enquanto Betty, Afonso e mais os outros empregados que estavam presos no castelo, pulavam e se jogavam no chão para salvar as folhas.

Eles fecharam a janela e desceram o trinco, não sabiam como ele se soltara da pedra. Dois homens vieram correndo com vigas de madeira exatamente da largura das janelas, elas estiveram ali antes que o castelo fosse reaberto. Prenderam nas três para garantir que não fossem abrir.

– Ah, meu Deus… Ah, meu Deus! – Luiza pegou as folhas, ainda estava com as luvas e tocava em todas com cuidado, temendo que houvessem se danificado irreversivelmente.

– O que foi que você fez? – Betty gritou completamente alterada ao ver tudo jogado pelo chão. O vento foi tão forte que várias caixas tombaram.

Luiza estava atordoada, o barulho do raio ainda zunia nos seus ouvidos e o susto mantinha seu coração completamente fora de compasso. Mas ela apenas catava tudo e levava para a mesa enquanto os olhos vasculhavam o cômodo. Marcel estava colado à janela, ignorando o perigo, tentava ver se havia alguma folha perdida do lado de fora, mas mesmo que houvesse, seria inútil. O vento já teria carregado e assim que eles trancaram a janela novamente, a chuva despencou com força, como uma represa rompendo as comportas que a prendiam indevidamente.

– Acho que está tudo aqui… – Luiza murmurou, sua garganta estava seca. Parecia estar engolindo uma massa arenosa e não saliva.

– Por que você abriu a janela? – Betty já havia gritado isso três vezes, mas Luiza só escutou agora.

– O que? Eu não abri nada! – ela respondeu, atordoada pela acusação inesperada.

– Sua garota idiota! Você sabe quanto vale tudo que tem aqui? Mais do que você conseguiria estipular em uma vida de contas! – Betty tornou a gritar.

– Eu não abri a janela! Eu não estou louca! – Reagiu Luiza, tentando que sua voz soasse mais alto apesar da garganta não estar ajudando.

– Você é uma irresponsável! Nunca viu uma tempestade? Se algum dano foi causado você vai ter que arranjar um jeito de pagar! – Betty continuava a toda, com uma veia saltando perigosamente em sua testa.

– Pagar como, mulher? Nenhum dinheiro recupera nada que tem aqui. E pare de gritar – disse Marcel, num tom calmo demais para competir com os gritos de Betty.

– Cale a boca! – Betty gritou, surda ao que os outros diziam. – Eu sabia que não ia dar certo contratar esses moleques mal saídos da faculdade! Como é que você foi abrir essa janela, sua incompetente! Não basta ser lenta, também é louca! – Ela continuava, seus olhos cravados em Luiza, a veia em sua testa ficando mais assustadora e seu pescoço vermelho como o de um peru.

– Você que é louca! Está gritando como uma histérica! Eu não abri a droga da janela! – Respondeu Luiza, começando a recuperar sua voz. Mas sua mente não conseguia sair dos papéis, não queria discutir com Betty, queria revisar tudo.

Betty gritou de raiva, completamente descontrolada.

– Você não tem ideia! Não tem ideia do que é tudo isso aqui! – ela gritava.

– Ela não pode ter aberto e você sabe disso – disse Marcel que ainda tentava bancar o calmo da situação.

Afonso cansou dos gritos histéricos, marchou em direção a Betty e deu dois tapas na cara dela, um para cada lado.

– Cala boca, mocréia. Você está histérica! – ele disse e ficou olhando–a, esperando fazer efeito.

Betty arregalou os olhos e o susto dos tapas fez com que ela ficasse quieta. Respirou fundo e engoliu a saliva. Fitou Luiza que estava ainda mais atordoada por Afonso ter literalmente metido a mão na cara da própria chefe. Só que os outros agora estavam usando todo o seu autocontrole para não se dobrar de gargalhar.

– Eu não abri a janela – Luiza repetiu, mas falava com Marcel, como se precisasse se explicar a ele e não a Betty. – Eu estava longe… Caí de costas ali – apontou o lugar.

– Ah é? – Perguntou Betty, agora estava falando em seu tom normal, ou seja, azedo. – Então como é que você me explica o fato de esse castelo ter enfrentado inúmeras tempestades e essa janela nunca ter aberto? Hein?

– Como você sabe que… – começou Luiza.

– Um dos fatos mais conhecidos da história desse castelo é que em 1419 um raio atingiu essa parede, bem em cima da janela. E inexplicavelmente ela nunca mais abriu! Até os vidros novos foram colocados com ela fechada, assim como a restauração da parede. Exatamente, para preservar a história. Então você chega e dá um jeito de desfazer séculos de história! Trate de descobrir se está tudo aí e me faça um relatório completo. Para hoje! – ela foi saindo, fingindo que não havia dado um ataque a frente de todos os empregados do castelo.

Luiza ficou olhando para o nada, só agora sentindo a dor de ter sido jogada no chão e enfim seu coração se recuperava do susto. Sentiu um toque leve em seu ombro.

– Eu sei que você não abriu… – disse Marcel, tentando confortá–la.

Um dos rapazes da manutenção foi até as portas e espiou, ele tornou a fechá-las e só então todo mundo ali dentro caiu na gargalhada, lembrando-se da cena de Afonso enfiando a mão com vontade na cara da general e a feição assustada que ela fez depois.

– Aquela mulher é desequilibrada. Ela quer te desmerecer, mas para ela achar que você conseguiu abrir uma janela que está fechada há séculos então é para acreditar que você é a mamãe natureza em pessoa. Me dá um autógrafo, baby? Sempre fui seu fã! – disse Afonso, revirando os olhos e contribuindo para a risadaria.

Depois de se recuperarem dos minutos de gargalhada, os outros foram saindo. Marcel foi checar as outras janelas junto com os rapazes da manutenção e Afonso foi jogar xadrez com a irmã. Luiza juntou tudo e tornou a separar como estava antes, sorte que na mesa havia apenas o lote que ela esteve trabalhando ontem e retomara hoje cedo. Ela sentiu até vontade de chorar, só por pensar que um dos valiosos escritos do conde pudesse estar perdido. No meio das cartas, ela encontrou uma fora de ordem. Organizada como era, havia registrado no computador todos os dias desde o primeiro ao último ano que estava arquivando. Separou uma parte para o conde e marcava lá quantas cartas e anotações ele fizera por dia. Aquela estava sobrando.

Luiza olhou a data, podia estar trabalhando prioritariamente com o material escrito por Jordan, mas já checara outras caixas e sabia que tudo daquela data e feito por ele estava com ela. Então de onde saíra aquela carta?

 Minha estimada lady,

Com todo respeito, não a conheço o suficiente para lhe enviar minhas anotações pessoais. Em todo caso, agradeço a preocupação. Se me disser de onde enviou esta missiva, posso mandar entregar–lhe algumas frutas como sinal de cortesia.

E eu não cometo o mesmo erro duas vezes.

J. D. Warrington.

Luiza arregalou os olhos e sua respiração falhou, assim como seu coração. Era simplesmente impossível.


Cartas do Passado estará disponível para leitura completa a partir de Setembro de 2013. Aguarde!

Não esqueça de curtir a página da autora no Facebook para saber das últimas novidades sobre os livros: facebook.com/lucyvargasbr